Fake news sobre guerra na Ucrânia nos mostram como se espalha a desinformação sem apoio de grupos políticos

Sem “ajuda” de grupos políticos, desinformação sobre guerra na Ucrânia circula em volume baixo e se resume, basicamente, em fake news “importadas” e “desinformação culposa” sobre os conflitos.

Sem “ajuda” de grupos políticos, desinformação sobre guerra na Ucrânia circula em volume baixo e se resume, basicamente, em fake news “importadas” e “desinformação culposa” sobre os conflitos.

Na semana passada, A seção A Semana em Fakes aqui do Boatos.org analisou como a falta de interesse na guerra da Ucrânia dos grupos políticos mais engajados no Brasil (simpatizantes de Bolsonaro e simpatizantes de Lula) freou a disseminação de fake news sobre o assunto. Passada uma semana, é possível se aprofundar nesta análise. Mais do que isso: é possível imaginar como seria um cenário no qual a desinformação não fosse apoiada por estes grupos.

Obviamente, um assunto tão dominante como os conflitos na Ucrânia iria gerar fake news. Porém, elas se limitaram a teses que surgiram em outros países (sejam de apoiadores ou detratores de Vladimir Putin) ou do que podemos chamar de “desinformação culposa” (boatos que estão mais ligados a erros de apuração do que a mentiras criadas com intenção de desinformar). Nos últimos sete dias, desmentimos exatamente cinco notícias falsas sobre a guerra da Ucrânia. Quatro delas são importadas.

Uma delas é um vídeo que já havia sido utilizado em um fake news sobre a Covid-19. Nas imagens de uma reportagem de uma TV da Suíça que era originalmente sobre um protesto, um manifestante que “finge estar morto” se mexe dentro de um saco. O vídeo se espalhou com uma legenda falsa em inglês como se estivesse relacionada à guerra na Ucrânia e serviu como combustível para “fãs de Putin” falarem que a “guerra é falsa”.

Outra história importada surgiu em um tabloide britânico que não goza de boa reputação. De acordo com a “bomba” (infelizmente, comprada como verdade absoluta por sites de notícias no Brasil), Vladimir Putin estar com um câncer terminal. Detalhe: a fonte da matéria apresentava como “prova” a expressão “triste” e o rosto arredondado do presidente da Rússia.

Uma terceira fake news “importada” dá conta de uma imagem, claramente editada, de uma cruz que teria sido filmada no céu da Ucrânia. A imagem surgiu na Itália e, só depois, se espalhou em língua portuguesa. Neste caso, o boato se espalhou pelo caráter “milagroso” mais do que com intenções de se tomar parte de um lado da guerra.

A quarta história que veio do exterior está em um vídeo de um casal cantando a música Endless Love. Legendas em espanhol (que circularam por aqui) apontavam que os cantores eram o presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky e a primeira-dama Olena Zelenska. A informação, mais uma vez, era falsa.

A única notícia falsa “made in Brazil” sobre a Ucrânia que vimos na semana foi de uma série de legendas erradas em um vídeo de um coral de crianças ucranianas. O que foi apresentado como “mensagem ao Sr. Putin” era, na realidade, a interpretação do hino da Ucrânia.

Nenhuma das cinco notícias falsas em questão foram, por aqui, submetidas a compartilhamento em massa ou orquestrado (como o que ocorreu, por exemplo, com as fake news sobre as vacinas). O resultado foram “fake news efêmeras” e desmentidos mais eficientes.

Esse quadro nos mostra como seria um ambiente online sem a participação de “gabinetes do ódio” ou “blogs (perfis) sujos”. Mesmo com um ambiente limitado a “fake news orgânicas” (que se espalham de forma natural), não teríamos o fim da desinformação. Mas, com certeza, teríamos uma internet muito mais saudável para se viver (ou se informar).

PS: caso algum grupo político resolva “se engajar” no apoio a um dos lados da guerra, teremos uma boa comparação de como se dá a desinformação com e sem a disseminação artificial.

Trends da semana

Palavras mais buscadas no Boatos.org nos últimos dias

  1. Ankole (Confira detalhes aqui)
  2. Losartana (Confira detalhes aqui)
  3. Fotos (Confira detalhes aqui)
  4. Melissa (Confira detalhes aqui)
  5. ankole (Confira detalhes aqui)
  6. Foto (Confira detalhes aqui)
  7. Minhas fotos (Confira detalhes aqui)
  8. ANKOLE (Confira detalhes aqui)
  9. Whatsapp gold (Confira detalhes aqui)
  10. Victoria só tem 11 anos (Confira detalhes aqui)

Os desmentidos mais lidos do Boatos.org nos últimos dias

  1. Dica falsa que aponta que digitar Ankole no Google faz com que fotos suas apareçam (Confira detalhes aqui)
  2. Promoção falsa que aponta que a Melissa está dando sandálias grátis por causa do Dia Internacional da Mulher (Confira detalhes aqui)
  3. Informação errada que aponta que Putin está com câncer terminal (Confira detalhes aqui)
  4. Fake news que aponta que namorado de Fátima Bernardes vai promover projeto que cria casamento entre pais e filhos
  5. Informação falsa que aponta que Lula vai acabar com o Pix quando for eleito (Confira detalhes aqui)

Destaques nas redes sociais

Desde o início de 2021, o Boatos.org promove a seção “A Semana em Fakes”, com análises sobre assuntos relacionados a fake news. O conteúdo é aberto para republicação em veículos de mídia. No momento, publicamos o conteúdo no Jorn., Portal MetrópolesPortal T5, Conexão Marília e O Anhanguera (caso tenha interesse, entre em contato com o Boatos.org para saber as condições). Para ver todos os textos da seção, clique aqui.